terça-feira, 22 de setembro de 2015

Petrolândia: Secretário Municipal de Transporte bota a “boca no trombone” e faz revelações bombásticas ao Blog Gota D’Água.

Secretário de Transportes de Petrolândia João Alberto Cruz, "Piguim" (Foto: Daniel Filho)

Em entrevista dada ao Blog Gota D’Água, do companheiro Daniel Filho (DF), o Secretário Municipal de Transportes da Prefeitura Municipal de Petrolândia, João Alberto Cruz, o “Pinguim”, “bota a boca no trombone” e faz revelações bombásticas de como são feitas as contratações, consertos, e outras coisas mais de veículos para o transporte escolar, principalmente na zona rural.
Matéria reproduzida na íntegra pelo Blog do Jair Ferraz com autorização do professor Daniel Filho.

Observação: Por decisão própria, nós do Blog do Jair Ferraz não citaremos o nome do Prefeito de Petrolândia. Ele não merece que citemos o nome dele no nosso blog.

Estudantes da Escola Icó-Mandantes procuraram o Blog Gota D’Água e apresentaram vídeos que mostram alunos em duas situações iminentes de risco. Em dois vemos o ônibus com uma das rodas superaquecida, em outro mostram estudantes, crianças, e adolescentes, das agrovilas 05, 06, 07, 09, e 10 do Limão Bravo conforme descrição. O Blog Gota D’Água entrou em contato com João Alberto Cruz, mais conhecido por “Pinguim”, através do Whatsapp para que comentasse os vídeos e as reclamações. O mesmo afirmou que era uma situação muito difícil, pois Paulo Pires (antigo responsável pelo setor) deixou UMA BOMBA que estourou na mão dele, optei, então, pelo encontro que aconteceu ontem, dia 21 de setembro, na Prefeitura, e que você acompanha aqui em duas partes:

1ª Parte:

Blog Gota D’Água: - Bom dia, Pinguim. Conta pra gente sobre essa tal bomba!
João Alberto: “– É o seguinte Daniel: quando o “prefeito” assumiu a prefeitura só tinha quatro ônibus. Um do selo UNICEF, que o prefeito da outra gestão ganhou tinha os dois do estado pro Icó-Mandantes, que era convênio do governo do estado, município e CHESF, e mais um que doutor Simões comprou pra Escola Agropecuária. E os alugados, “Dona Júlia” e “Jailson”, que tem muitos anos que é da São Francisco. Aquele ônibus velho... Quer dizer, velho só no nome, porque é perfeito. O “prefeito” entrou e comprou mais quatro que é aquele negócio, o governo federal manda o dinheiro, mas você não pode comprar qualquer um, como o do modelo de “Melinha”...”.

Blog Gota D’Água: - Tem que seguir o padrão do programa...
João Alberto: “– É, segue o padrão. Só que esse padrão para a região Nordeste não é viável. É muito alto e duro como barra de ferro. Você já viu como o ônibus é?”.

Blog Gota D’Água: – Vi. Achei próprio para qualquer tipo de estrada...
João Alberto: “– Mas não aguenta trepidação. Esses ônibus são cheios de sensores, aí o sensor pega poeira... Afeta tudo, apaga luz, acende luz... Ele não foi feito para andar nesse tipo de chão nosso. Foi feito pra serra, estrada cheia de buraco, areião... Você pode botar ele no areião que ele vai embora, mas trepidação ele não aguenta. O que tá acontecendo, Poliano assumiu, pegou ônibus novo. Tudo novinho pronto pra rodar, não se preocupou com revisão, pois tava tudo na garantia, 60mil quilômetros. Paulo Pires assumiu, comprou mais cinco ônibus novos. Esses piores ainda que os outros, pois esse é motor “MAN”... Em cima do motor tem uma caixa de fusível que parece uma teia de aranha... Resultado: ninguém se preocupou em fazer licitação depois da revisão. Fazia licitação normal dos outros ônibus, mas não se preocupou em fazer desse tipo de ônibus”.

Blog Gota D’Água: – E quem deveria ter feito era “Paulo Pires”?
João Alberto: “– É... E fez, mas não fez pra esse tipo de ônibus. Aqui a gente não tem mecânico e nem eletricista, porque tem que ser credenciado da “MAN”. Mesmo que aqui tenha a peça, é preciso ligar pra autorizada, mandar o número do chassi, fazer o pedido e repassar... E a “MAN” é fica no Rio Grande do Sul. Um para-brisa você tem que comprar direto do Rio Grande do Sul, veja se pode isso...”.

Blog Gota D’Água: – Pinguim, de onde saiu essa resolução? Pesquisamos e todas as resoluções dizem que compete ao município comprar as peças e dá liberdade de comprar onde quiser.
João Alberto: “– Sim, mas acontece que aqui a gente não tem mecânico e nem eletricista”.

Blog Gota D’Água: – Petrolândia não tem mecânico e nem eletricista?
João Alberto: “– Tem não... Pra esses ônibus tem que ser do sistema “MAN”. Não tem mecânico e nem eletricista credenciado”.

Blog Gota D’Água: – A trepidação afeta apenas os sensores, né? A parte mecânica funciona...
João Alberto: “– A mecânica funciona. Mas quando esses sensores começam a falhar, acumula memória. É igual a um computador quando pega muito vírus. Então chega uma hora que trava mesmo, não liga. Então você vai atrás do mecânico, ele traz o computador, rastreia o sistema, exclui... Igual a um carro pequeno. Só que os mecânicos daqui não tem credenciamento”.

Blog Gota D’Água: – Mas porque o setor de transportes do município não fez esse credenciamento?
João Alberto: “– Não tem como. Pra fazer tem que ter um mecânico... Se a gente tivesse um promotor pra dar o aval ao “prefeito” para poder contratar uma empresa pra fazer chassi e mecânica, aí era mais fácil, mas o “prefeito” não pode passar por cima do Tribunal de Contas... Se eu quiser consertar farol ou para-brisa eu tenho que levar pra Campina Grande ou Recife...”.

Blog Gota D’Água: – Não sai mais barato fazer o tal credenciamento e concurso público para os cargos de eletricista e mecânico?
João Alberto: “– Era isso que tinha que ser feito...”.

Blog Gota D’Água: – E por que não faz? O município está sem promotor há pouco tempo, o problema dos transportes escolares vem de anos...
João Alberto: “– O meu problema foi agora. Estou com cinco ônibus quebrados...”.

Blog Gota D’Água: – Todos do Programa Caminho da Escola?
João Alberto: “– Sim, todos. Aí veja, eu estou tentando com uma empresa de Serra Talhada, tentando localizar um rapaz que me dá toda a estrutura, mas é preciso que a documentação dele passe pelo Tribunal de Contas. Se passar eu vou gastar menos e ter garantia... Mais segurança. Aqui não. A empresa “MAN” dá garantia, mas eu tenho que mandar o ônibus pra lá. Aí é tempo e gasto. Hoje se eu tivesse o direito de comprar as peças e consertar os carros em qualquer lugar, aí facilitaria. O problema é essa burocracia...”.

Blog Gota D’Água: – Pinguim, insisto, a Lei nº 10.880, de 2004 e medida provisória 455/2009 a partir do decreto 6.768 dão total liberdade para o município fazer a manutenção. Não existe essa resolução que proíbe...
João Alberto: “– Tem...”.

Blog Gota D’Água: - Onde? Que resolução é essa?
João Alberto: “– É do Tribunal de Contas... Eu tenho que fazer licitação...”.

Blog Gota D’Água: – Mas peça você não compra individualmente? Licitação não é acima de R$ 8.000,00 (oito mil reais)?
João Alberto: “– É...”.

Blog Gota D’Água: – E tem peça acima desse valor?
João Alberto: “– Desses ônibus, sim, porque tem que ser peça exclusivamente MAN...”.

Blog Gota D’Água: – O que é essa “MAN”?
João Alberto: “– Da fábrica de peças...”.

Blog Gota D’Água: – É essa que é do Rio Grande do Sul?
João Alberto: “– É”.

Blog Gota D’Água: – É essa que você diz que é do filho do Lula?
João Alberto: “– É... dizem né? Dizem que é do filho de Lula... Não tenho certeza não...”.

Blog Gota D’Água: – E só pode comprar lá...
João Alberto: “– É. Se a gente usa peça similar dá problema...”.

Blog Gota D’Água: – E qual seria o custo para consertar todos os ônibus?
João Alberto: “– Em torno de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais)... Que é motor...”.

Blog Gota D’Água: – Mas não é problema de motor...
João Alberto: “– É”.

Blog Gota D’Água: – Em todos já têm problema de motor?
João Alberto: “– Tem... Quer dizer, só um que não tem problema de motor... É sistema de caixa de marcha, esse aí dá uns cinco... seis mil reais, mas aí eu já gastei o que tinha direito dos R$ 8.000,00 (oito mil reais), aí não posso. Preciso contratar empresa... Dois tenho que fazer motor, outro é limpeza de bico... Um monte de coisa e aqui não tem quem faça. Aí também tem outro problema com os ônibus alugados. O problema daquele vídeo com o pneu fumaçando. “Fabrício” é que é o dono, ele que botou água no rolamento pra esfriar. O que acontece, Janeiro e Junho é feita vistoria por empresa ligada ao DETRAN. Eu tenho toda a documentação aqui comigo da vistoria. O que acontece, o povo diz: “AH, é ônibus velho”. O de “Jailson” também é velho, mas o povo conserva. O que acontece com o pessoal do Icó: eles querem ônibus novo e não tem condição... Se você entra no ônibus da reta é banco cortado de estilete, no da cinco dos Mandantes é cadeira quebrada, cortada... É patrimônio deles e eles quebram, o motorista tem culpa? Ele pode ver isso?”.

Blog Gota D’Água:
Sobre a responsabilização dos estudantes para as condições precárias do transporte escolar você confere na próxima publicação. E ainda, as supostas quebras de contrato de “Melinha” e “Givaldo” que teriam trazido tamanho prejuízo para o município.
Na segunda parte da entrevista com Pinguim ele lança sua visão acerca dos estudantes das agrovilas, fala sobre os vídeos de estudantes do Icó-Mandantes que denunciam o modo como são tratados divulgados na matéria anterior e ainda cita as polêmicas quebras de contrato de dois motoristas com o município. O que tudo isso tem a ver com estudantes perdendo aula por falta de transporte ou, quando têm, porem em risco suas vidas? Tem que ler pra tentar entender...

Acompanhem!





2ª Parte:



Blog Gota D’Água: – Sobre o auxílio da conservação do patrimônio já fizemos matérias e pedidos ao prefeito para liberar o uso dos ônibus pelos professores daquela área que poderiam auxiliar nesse sentido...
João Alberto: “– É, mas é proibido. Mas vamos essa semana reunir todos os conselhos da cidade para fazer um documento explicando toda a situação direitinho e encaminhar à câmara e o prefeito sancionar um decreto que permite o professor usar pra ajudar nessa situação... Daniel, tá sério. Até transporte de droga os ônibus têm, aí a polícia pode fazer abordagem? Não, porque são adolescentes... Então os professores vão poder ajudar nesse sentido. Pensamos como, os contratados, que não recebem difícil acesso, vão poder usar o ônibus pra se responsabilizar pelo comportamento dos estudantes. Os que recebem (a gratificação) não...”.

Blog Gota D’Água: – Pinguim, a gratificação de difícil acesso é para auxiliar o professor a pagar um transporte público. Nós não temos transporte público. Conheço muito professores que abririam mão da gratificação se tivessem como chegar ao local de trabalho...
João Alberto: “– É... tem que ver isso”.

Blog Gota D’Água: – É pra esse ano ainda essa liberação?
João Alberto: “– É... estaremos nos reunindo essa semana ainda...”.

Blog Gota D’Água: – Temos estudantes perdendo semanas de aulas por falta de transporte. Isso é crime. Quando vai resolver essa situação?
João Alberto: “– Hoje mesmo. Vou ligar pra Petrolina. Contratei dois ônibus. Eu tinha licitado algumas rotas que não estava usando, então vou ter que fazer um remanejamento. Um vai pra reta e outro pra seis dos Mandantes ao Icó. O do Icó vou remanejar para os Sem Terra ou São Francisco... Vou remanejar porque não posso mais contratar...”.

Blog Gota D’Água: – E a situação dos estudantes do Instituto Federal?
João Alberto: “– É justamente o do São Francisco... Aí tem três dias, ou dois, que ele não vem porque não tem estudante. Tem outro caso também quatro alunos que são do estado que vêm e não vão estudar. Andam não sei quanto quilômetros pra tomar cachaça... Aí você vai colocar ônibus pra rodar tantos quilômetros pro cara vir beber cachaça?”.

Blog Gota D’Água: – Espera, não entendi. Esses estudantes não vêm por quê...?
João Alberto: – “Não, eles vêm, mas não assistem aula. São quatro alunos. Dois da Escola Jatobá, e dois da Escola Delmiro...”.

Blog Gota D’Água: – Mas essa é uma responsabilidade da escola e da família, vocês não podem negar transporte público embasados nesse argumento...
João Alberto: – “É... Sim, mas quanto aos estudantes do IF que recebi a lista aqui, o ônibus não vem porque está quebrado”.

Blog Gota D’Água: – Quebrado também...
João Alberto: – “É...”.

Blog Gota D’Água: – E resolve quando?
João Alberto: “– Se a empresa tiver aprovada e tudo certo, resolve hoje mesmo. Mas vamos estudar o caso desses meninos que quebram o ônibus... Pra você ter uma ideia, foi um dia desses, uma menina vinha em pé, brincando, danou o cotovelo no vidro do ônibus que quebrou...”.

Blog Gota D’Água: – Com o cotovelo quebrou?
João Alberto: “– Pra você ver... Aí tem aluno que senta na frente do vidro do ônibus, o motorista pede pra descer, sabe o que diz? “Venha me tirar se for macho”! Aí, quer dizer, arruma confusão. Outra, estou indo com Evaldo pro Icó pra saber sobre o outro vídeo. Porque, segundo o pai de “Fabrício”, os meninos vinham pinotando, gritando dentro do ônibus... Aí os meninos fizeram um vídeo querendo tocar fogo no ônibus... uma confusão... Aí vamos conversar com a diretora pra saber como foi. Cada um diz uma coisa...”.

Blog Gota D’Água: – É o vídeo dos meninos voltando a pé pra casa...
João Alberto: – “É... E de fato uma pessoa que ia passando disse que viu. Disse que os meninos vinham num cabaré...”.

Blog Gota D’Água: – Isso justifica o motorista parar e mandar todo mundo descer?
João Alberto: “– Não, ele não mandou... Ele parou e disse que só ia seguir viagem se todo mundo se calasse e parasse a bagunça...”.

Blog Gota D’Água: – Aí todos desceram...
João Alberto: “– Desceram e começaram a xingar...”

Blog Gota D’Água: – E foram pra suas casas a pé...
João Alberto: “– Foi (risos)”.

Blog Gota D’Água: – Qual é o nome do motorista?
João Alberto: “– É o pai de “Fabrício”. “Haroldo””.

Blog Gota D’Água: – E a fumaça na roda do ônibus (sobre o outro vídeo de outro ônibus) foi só aquecimento?
João Alberto: “– Foi. Aí “Fabrício” botou água na roda (risos)... Aí pensaram que ia pegar fogo. Realmente, se deixar esquentar demais, pega fogo...”.

Blog Gota D’Água: – Mas os estudantes seguiram viagem no ônibus assim mesmo...
João Alberto: “– Não, aí não sei... Vou ver com “Fabrício””.

Blog Gota D’Água: – Os estudantes correram risco?
João Alberto: “– Não... Fabrício é mecânico. Sabe dos ônibus dele... Sim, lembrei de uma coisa... Eu tinha dois ônibus reservas quando comecei em Fevereiro. Um “Melinha” tirou em Fevereiro o outro era de “Givaldo”, que levava os Sem Terra, tirou em Março...”.

Blog Gota D’Água: – E tiraram por quê?
João Alberto: “– Porque disseram que estavam ganhando pouco... Mas licitação a gente tem que pagar o que tá licitando...”.

Blog Gota D’Água: – E vocês não os puniram pela quebra do contrato?
João Alberto: “– Não, a empresa que contratou é que tem que punir...”.

Blog Gota D’Água: – Mas os ônibus não são particulares?
João Alberto: “– É, mas foi a empresa que locou...”

Blog Gota D’Água: – Qual é o nome da empresa?
João Alberto: “– “R. Souza”... “R. Sena”... Não, “Rocha Sena...””

Blog Gota D’Água: – De onde?
João Alberto: “– Petrolina... Aí eles tiraram sem dar satisfação, botei dois reservas pra rodar, aí quebrou tudo. Então, quer dizer, se tivesse dois ônibus hoje, não estava sofrendo hoje... Mas já foi dito à empresa que eles vão ter que ressarcir o prejuízo... Quer dizer, de fato a gente não pagou os ônibus, mas se não tivessem tirado a gente tinha pagado...”.

Blog Gota D’Água: – E de quanto era esse aluguel?
João Alberto: “– R$ 5.000,00 (cinco mil reais) e pouco... Pago R$ 7.000,00 (sete mil reais) e pouco... Com desconto vai pra R$ 5.000,00”.

Blog Gota D’Água: – E eles acharam pouco... Queriam quanto?
João Alberto: “– Não disseram, só tiraram os ônibus”.

Blog Gota D’Água: – Obrigado pelos esclarecimentos, Pinguim...
João Alberto: “– Por nada, qualquer outra dúvida é só perguntar...”.

Voltando pra casa, após a entrevista, fotografamos um dos ônibus do Programa Caminho da Escola:

Sobre os estudantes que, supostamente, viriam da zona rural para beber. Entramos em contato com uma das gestoras que negou tal fato. A escola tem o controle de presença dos estudantes e desconhece esses dois casos.
E na terceira parte da matéria, para não dizer que as flores das soluções não foram dadas e que o Blog é feito só para esculhambar com a gestão...
Entramos em contato com a empresa “MAN” (tão citada durante a matéria) e a resposta deles vai surpreender... Surpreender alguns. Outros não terão surpresa nenhuma.

Aguardem!