CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

terça-feira, 24 de maio de 2016

Pesquisa diz que o Recife tem mais mortes no trânsito do que São Paulo

Do G1/PE


A violência no trânsito é um assunto que preocupa uma grande metrópole como o Recife. 
Em 2015, mais de duas mil pessoas morreram ou ficaram com sequelas por causa de algum acidente envolvendo carros, motos, ônibus ou caminhões no Grande Recife. Uma pesquisa feita pelo Observatório do Recife aponta que o número de mortes por habitantes na capital pernambucana é maior que São Paulo, levando em conta a relação entre os números de ocorrências e de moradores.
Em 2014, houve 24 mortes por grupo de 100 mil habitantes no Recife. Em São Paulo, foram oito por grupo de 100 mil, no mesmo período. Quando a meta estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) para 2020 é de seis óbitos por 100 mil habitantes.
“A gente tem que mudar a estrutura. Tem que separar espaço para o ônibus, o espaço para o automóvel e o espaço para o ciclista. Precisa também melhorar a situação do pedestre e deixar a cidade mais circulável para o maior número de pessoas. Atualmente, as pessoas têm medo de andar no trânsito”, pontuou César Martins do Observatório do Recife e membro da Associação Metropolitana de Ciclistas da capital.


Adepto da utilização da bicicleta como meio de transporte, César ainda critica o fato da cidade ter menos de 2% de estrutura cicloviária. “Você vê no estudo uma porcentagem muito baixa de estrutura cicloviária e isso reflete no número de mortes”, completou. A pesquisa completa será divulgada na noite desta terça-feira (24).

Em nota, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) alegou que vem  instalando 76 equipamentos de fiscalização eletrônica desde 2014. “Os equipamentos são responsáveis por inibir infrações como excesso de velocidade, avanço de semáforo e parada sobre a faixa de pedestre. Essas ações estão diretamente ligadas à redução de cerca de 30% do número de vítimas fatais no trânsito do Recife, se considerarmos os dados obtidos entre os anos de 2012 a 2015
”.