CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Floresta: Policiais Militares estão revoltados com transferência em massa.



O Blog O Povo com a Notícia recebeu nesta quinta-feira dia 31/12, uma carta onde Policiais Militares da 1ª CIPM do 3ª Pelotão de Floresta desabafam em sofrerem represálias e serem transferidos em massa da cidade de Floresta, no Sertão de Pernambuco.
Segundo informações, o Suplemento Pessoal nº 047 de 29 de Dezembro de 2015, publicou a transferência de 54 policiais militares. Ainda segundo informações, eles estão sendo transferidos sem motivo para outras unidades e os policiais que trabalharam no mês de dezembro na cidade de Floresta, foram permutados para as cidades de Arcoverde, Serra Talhada, Salgueiro e Cabrobó.
Na carta, os policiais relatam que causa estranheza as transferências ocorrerem sem nenhum motivo aparente. Pois acreditam estarem sofrendo represálias por exercer corretamente seu trabalho de rondas e abordagens. Onde é comprovado em alguns números da 1ª CIPM que faz parte da única ÁREA INTEGRADA DE SEGURANÇA (AIS 22) do Estado para reduzir os CRIMES VIOLENTOS CONTRA O PATRIMÔNIO (CVP).
A área teve redução de 12,8% dentro das metas estabelecidas pelo programa Pacto pela Vida, além de ser líder em apreensão de armas de fogo e entorpecentes. Mesmo com tamanha dedicação foi feita essa grande injustiça, para com aqueles que dedicam suas vidas em prol do próximo.
“Pisamos no calo de algum político, a polícia militar de Pernambuco mostrou que continua no tempo da ditadura. Isso só vem a agravar o clima de insegurança que assola a cidade, que já superou o número de 25 homicídios esse ano, se os policiais conhecedores das peculiaridades da área não estivessem exercendo seu trabalho corretamente, com certeza seria o dobro de homicídios. Durante minha vida Militar nunca tinha visto uma remoção tão numerosa involuntariamente, isso é muito triste, quanta maldade", disse um dos policiais transferidos.
Os policiais militares pedem uma resposta ao Governo do Estado e ao Comando da PMPE.
 
Fonte: O Povo com a Notícia.