CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Pernambuco: Policiais Civis prometem novos números da violência

 
 
O Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol-PE) apresenta, nesta sexta-feira, novos dados sobre a violência em Pernambuco. A categoria promete divulgar os números de assassinatos e outros crimes registrados no estado coletados pelo sindicato e comentar a diferença entre os índices apresentados pela Secretaria de Defesa Social (SDS).
Durante a entrevista coletiva, o presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros, diretores e advogados do sindicato, pretendem ainda anunciar medidas jurídicas para contestar o Programa de Jornada Extra (PJES) da Polícia Civil. A reunião acontece esta manhã, no auditório do Sinpol, na Rua Frei Cassimiro, bairro de Santo Amaro, no Recife.
Na quarta-feira passada, o secretária de Defesa Social, Alessandro Carvalho, mostrou que a violência voltou a subir no estado. Julho teve 297 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), quarenta a mais que no mesmo período de 2014.Na ocasião, ele ponderou que, apesar do crescimento, julho foi o segundo mês menos violento de 2015 até agora. Em junho, 264 homicídios foram computados.
Para Carvalho, o aumento nas mortes deve-se a fatores com o crescimento do tráfico de drogas e da criminalidade em geral, em meio à crise econômica, e à redução dos plantões por alguns delegados e policiais civis, em protesto.
Segundo dados da SDS, as Áreas Integradas de Segurança mais violentas em relação ao número de assassinatos foram as de Paulista (27), Caruaru (27), Garanhuns (26), Jaboatão (24), Nazaré da Mata (21) e Cabo de Santo Agostinho (20). O desafio da SDS agora será atingir a meta do Pacto pela Vida, que prega uma redução de 12% em relação ao número de mortes com o mesmo período do ano anterior, para o mês de agosto.
Em 2014, 250 assassinatos foram registrados em Pernambuco em agosto. Isso significa dizer que para este mês, para atingir a meta, o estado não pode registrar mais do que 220 homicídios.