CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

quinta-feira, 18 de junho de 2015

14º CECUT: Sindsep-PE amplia representação na CUT-PE



Na eleição da nova direção da CUT-PE, realizada na última sexta-feira, dia 12, durante o 14º Congresso Estadual da entidade, o Cecut, o Sindsep-PE conseguiu ampliar a representação na central sindical. Passou de três para cinco diretores. A maior representação da história do sindicato. Vilma Maria (Incra), Lindinere Ferreira (Saúde) e Sérgio Goiana (Trabalho) foram reconduzidos. Fernando Lima (Agricultura), que já fez parte da direção da CUT-PE, retornou. Só José Felipe Pereira (Saúde) é novato.
“Essa ampliação é reflexo do trabalho que o Sindsep já vem realizando na CUT Pernambuco”, enfatiza o diretor do Sindsep-PE, Sergio Goiana, que nesta nova gestão da CUT-PE permanecerá como titular da Secretaria de Administração e Finanças. Os demais companheiros compõem a direção estadual da central sindical.
Os servidores federais vêm conquistando espaço na CUT nacionalmente. Hoje, a categoria compõe a Executiva nacional da Central Única dos Trabalhadores. “A CUT é macro, abrange toda a classe trabalhadora, uma entidade forte que tem lutado por questões gerais do funcionalismo público, como o direito à negociação coletiva e o direito de greve”, lembra Goiana.
Segundo resolução da 14ª Plenária Nacional da CUT, realizada em agosto passado, os mandatos da Central Única dos Trabalhadores serão de quatro anos e não mais de três. Portanto, a direção da CUT-PE ficará á frente da entidade até 2019, quando será realizado um novo congresso.
O 14º Cecut foi realizado de 10 a 13 de junho, no Centro de Formação e Lazer do Sindsprev, no bairro da Guabiraba.

CUT Pernambuco elege a primeira direção paritária

O 14º Congresso Estadual da CUT Pernambuco, o Cecut, vai entrar para a histórica do movimento sindical cutista por ser o primeiro a eleger uma direção paritária. São 44 vagas na diretoria, sendo metade ocupada por homens e a outra parte por mulheres. A proporcionalidade se mantém também na Executiva, composta por sete companheiros e o mesmo número de companheiras, e no Conselho Fiscal da entidade.
A paridade foi obtida no último congresso nacional da CUT, realizado há três anos. A ideia é que, assim como a CUT-PE, as CUTs de outros estados abracem a ideia e elejam direções paritárias. Em Pernambuco, a paridade aconteceu sem precisar ampliar o número de vagas. Foi um consenso dos gêneros. Antes da paridade, existia a cota de 30% de mulheres na direção.
A vice-presidente nacional da CUT, a trabalhadora rural Carmem Foro, explica que a cota foi uma estratégia. Foi a partir dela que muitas mulheres entraram nas direções. Mas, apesar da paridade ser um avanço, ela ainda não resolveu os problemas de gêneros. “Ainda não estamos na cabeça, nas principais funções. Agora vamos discutir a paridade real”, dispara Carmem.
Dos cinco representantes do Sindsep-PE na CUT Pernambuco, duas são mulheres. Vilma Maria e Lindinere Ferreira. Hoje, apesar de as mulheres ocuparem a Coordenação Geral do sindicato, elas ainda são minoria na direção. “A paridade é um tema ainda em construção. A CUT saiu na frente. É importante que as mulheres ocupem posições estratégicas em várias instâncias de poder”, diz a coordenadora geral do Sindsep-PE, Graça Oliveira.