CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

sábado, 21 de março de 2015

Morreu lojista de Petrolândia que foi baleado com amigo na Torre, BR-316, município de Floresta.

Cleiton Eduardo
(Foto colhida no Blog o Povo com a Notícia)


(Pedimos desculpas ao leitores do Blog do Jair Ferraz pelo motivo de que, por algum engano, tinhamos colocado aqui uma foto preto-branco do Luciano, e trocamos por uma à cores de uma pessoa que não era ele. Voltamos com a foto em preto e branco).



Por Jair Ferraz


Luciano José da Silva, 38 anos, lojista, que morava na Av. Auspicio Valgueiro Barros, centro de Petrolândia, apresentando ferimentos à bala, deu entrada no Hospital Francisco Simões de Lima, e morreu quando estava a caminho do Hospital da Restauração em Recife.

Policiais Militares da 4ª CIPM de Petrolândia, Equipe Patrulha do Bairro, conseguiram colher informações através da vítima de que um amigo seu, de nome Cleiton Eduardo do Nascimento Silva, 34 anos, que vinha de Santa Cruz do Capibaribe, encontrava-se morto dentro de um veículo Corsa, placa não informada, na BR-316, próximo à Torre no município de Floresta. Eles viajavam no sentido Floresta a Petrolândia, Pernambuco, quando o veículo foi interceptado por homens armados que efetuaram vários disparos de arma de fogo, onde o Cleiton morreu na hora. Já o Luciano conseguiu sair do veículo, e se esconder dentro da caatinga, das 22:00 até as 05h30mim da manhã, quando pegou uma carona em um ônibus de uma banda musical, que o socorreu para o Hospital de Petrolândia.

Após verificação no Sistema de Informações, os policiais da 4ª CIPM de Petrolândia constataram que o Luciano tem várias passagens pela justiça, das Comarcas de Petrolândia, Floresta, e Belém do São Francisco.

A vítima foi levada para o Hospital de Petrolândia, e depois foi transferida para o Hospital da Restauração em Recife, e tivemos a informação de que ele não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo.

Até o presente momento não se conhece os autores, e nem o motivo para o crime.