CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

domingo, 14 de dezembro de 2014

Petrolândia: "Dona Branca", comerciante antiga do Mercado Público reclama do horário de funcionamento.


 

Por Jair Ferraz:
  

O Blog do Jair Ferraz, pela credibilidade e imparcialidade em suas publicações, sem política e sem idéias tendenciosas, e pela coragem, é mais uma vez convidado a fazer uma "matéria denúncia", e desta vez fomos convidados pela Sra. Maria Petronilha, “Dona Branca”, que como outras pessoas, acreditam em nosso trabalho.
Há aproximadamente 16 anos “Dona Branca” comercializa comidas e bebidas no interior do Mercado Público Municipal de Petrolândia. Ela tem uma clientela fiel, e diz que antes da reforma e mudanças no mercado público, não tinha problemas, comercializava normalmente, e lucrava o suficiente para sustentar sua família, pagar despesas, comprar mercadorias, e ainda pagar o imposto do seu “ponto”.
No mercado anterior, o “ponto” comercial de “Dona Branca” tinha aproximadamente seis metros de largura, e hoje não passa de três metros de largura por dois de cumprimento. Era frequentado por todos, amigos e clientes, e hoje se sente em total abandono.
A reclamação de “Dona Branca” é sobre uma medida que foi adotada pela Secretaria Municipal que administra o Mercado, a qual determina que a partir da data de sua publicação o mercado passa a funcionar nos seguintes horários:
De Segunda à quinta: das 6:00 às 14:00 horas; As sextas-feiras das 4:00 às 16:00 horas; Nos sábados das 06:00 às 13:00 horas; Aos domingos das 06:00 às 12:00 horas. Para cargas e descargas: quartas e quintas, das 00:00 às 04:00 horas, somente fornecedores, e as 04:00 horas somente para recebimento de mercadorias (feirantes). Para calçados, laticínios, sapateiros, bares internos, e salão: de segunda a sexta das 6:00 às 18:00 horas, e sábados das 6:00 às 13:00 horas.
O novo horário de funcionamento do mercado agrada a “gregos” e a “troianos”, mas por outro lado desagrada feirantes que comercializam no interior do mercado, donos de bares como é o caso específico de “Dona Branca”, e também ao povo de uma forma em geral, que muitas vezes, fora do horário determinado, querem freqüentar bares, lanchonetes, comprar frutas frescas, e verduras para as refeições da noite do mesmo dia, e para a refeição da manhã do outro dia, e quando vai ao mercado encontra de portas fechadas.

Em nossa opinião, ponto comercial que gera renda para o Município, quanto mais tempo aberto melhor. Ponto comercial fechado não ganha e não lucra. O próprio nome já diz: Marcado Público, e o publico precisa do mercado aberto, para compras e visitação.
Todo mundo sabe que a pessoa de baixa renda, que não tem condições de possuir uma geladeira, compra a verdura no momento em que vai cozinhar o alimento. Isto acontece normalmente no horário da tarde, quando vai cozinhar a refeição da noite, muitas vezes uma sopa de verduras. O problema é que quando se vai ao mercado comprar o que deseja principalmente verduras, encontra-o com portas fechadas. Quem já não “sobrou” quando foi à tarde comprar no mercado público de Petrolândia?!

De acordo com os novos horários, “Dona Branca” se sente muito prejudicada, uma vez que tem de fechar o seu comércio às 14 horas. Foi por isso que ela convidou o Blog do Jair Ferraz para "denunciar".
Ela diz que: “está sendo prejudicada, e que já falou com todas as autoridades responsáveis pela administração do Mercado, e que até esta data não foi atendida”. Ela disse também ao Blog do Jair Ferraz, “que a uns três ou quatro meses passados, esteve na casa do prefeito para tratar desse assunto”, inclusive que “o seu irmão “Zé Hermes”, do Imbuzeirão, via celular, pediu ao prefeito para encontrar uma solução para ela”.
O grande medo de “Dona Branca” é se por acaso tiver que devolver o “ponto comercial", e ficar sem nada, ou seja, ser "despejada" de dentro do mercado.
 
Nesta semana que passou, o Blog do Jair Ferraz, entrevistou alguns feirantes, e comerciantes no interior do marcado público, para saber como eles estão se sentindo com relação ao novo horário de funcionamento, vejamos o que eles responderam!

“Dona Fátima”, como é que a senhora se sente com relação ao novo horário do mercado público?
“- Eu realmente acho bom.”
Então quer dizer que a senhora prefere que o mercado feche às 14 horas?!
“- Prefiro, porque a gente pode chegar cedo em casa, e fazer outras obrigações.”

Sr. Antonio, o senhor é feirante, vende mercadorias, frutas e verduras no interior do mercado público de Petrolândia, nós gostaríamos de saber o que o senhor acha do mercado fechar às 14 horas todos os dias? O senhor aprova ou desaprova, se o senhor é contra ou a favor?
“- Eu desaprovo. O horário normal é de cinco horas, que dá para todo mundo trabalhar o suficiente. Porque aqui é assim, a gente compra a mercadoria, chega às 14 horas e está fechado, e a gente vai deixar a mercadoria na rua? Eu desaprovo.”

Dona Luzinete, a senhora aprova ou desaprova o horário que foi adotado para funcionamento do mercado público de Petrolândia, fechar às 14 horas da tarde?
“- Aprovo, porque o mercado ficava aberto até mais tarde, ai ficam roubando o povo aqui. Meio mundo de roubo que está aparecendo aqui, ai por isso é bom fechar. A gente sai daqui às duas horas e deixa o mercado aqui. Deixa as mercadorias cobertas, às vezes vem um doido, vem um bêbado, vem um ladrão, ai corta as lonas das pessoas, tiram a mercadoria, e ai?! Ai a gente é quem perde, portanto eu aprovo.”

Como é o nome do senhor?
“- Jackson.”
Como é o nome da senhora?
“- Rita.”
Estamos passando por aqui para saber a opinião. O que o senhor e a senhora acham do novo horário que foi adotado para funcionamento do mercado público de Petrolândia, fechar a partir das 14 horas? Gostaria de saber, da senhora e do senhor, se é de acordo ou contra?
Dona Rita: “- Se for para fechar para todo mundo, para ninguém entrar no mercado, é bom. Agora se for para fechar para uns e outros ficar entrando e saindo não é bom. O que é que adianta fechar para uns e outros não?!”

Como é o nome do senhor?
“- Erinaldo.”
Senhor Erinaldo, lhe conhecemos muito bem, e sabemos que o senhor comercializa cereais em Petrolândia ha anos, desde o mercado velho, não é isso?
“- Sim, meu pai Idelfonso começou na cidade velha.”
Gostaríamos de saber do senhor o seguinte: com relação ao novo horário de funcionamento do mercado público de fechar às 14 horas, o que é que o senhor tem a dizer, é de acordo ou é contra?
“- Pra mim tá bom. Eu saio daqui às 13 horas, só fico até as 13 horas.”
Então para o senhor não tem nenhum problema que feche às 14 horas?
“- Não tem problema. Nos dias de sexta é que eu saio mais tarde, as 14:30 horas.”
Outra pergunta: o senhor se importa em deixar sua mercadoria aqui dentro e o mercado ficar aberto?
“- Bom, nos preocupamos, porque os guardas ficam lá para frente, sempre preocupa um pouco.”

Concluindo esta matéria que tem como objetivo um importante trabalho de utilidade pública, um trabalho feito com a coragem que poucos têm, em nossa opinião, o Mercado Público de Petrolândia deve ficar aberto o máximo de tempo possível, a fim de atender à população de uma forma em geral, e não interesses próprios de pessoas que só pensam em bem próprio.
No caso específico de “Dona Branca”, para não interferir no horário atual determinado, após análise de engenharia, poderia no “ponto comercial” da mesma, abrir uma porta e fazer um balcão para o lado externo do mercado.
E para o não fechamento do mercado no horário que não foi programado, ou seja, no resto da tarde, das 14 às 17 ou 18 horas, poderia sim aumentar o numero de vigilantes dentro do mercado público.

Pedimos desculpas aos feirantes que comercializam suas mercadorias no andar de cima do mercado publico, pelo motivo de não termos subido a escadaria ou rampa para entrevistá-los lá em cima. Já é do nosso conhecimento os problemas que estão enfrentando com a baixa venda de mercadoria, por terem sido colocados em local de pouco movimento. Vamos torcer para um dia a coisa melhorar.
 

Esclarecemos que não subimos as escadas por que estamos com a saúde um pouco debilitada. Temos em um dos ventrículos do coração uma válvula mitral biológica suína (de porco), com suspeita de arritmia, que provoca tonturas, com alto risco de enfarte, AVC, trombose, sinal de diabetes, etc.
 

Prometemos que na próxima oportunidade, faremos uma matéria com os comerciantes da parte superior do mercado público, e que para eles as portas do Blog do Jair Ferraz estão abertas qualquer hora do dia ou da noite.