CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

CONTATOS PARA ANÚNCIO: thiagoferraz@outlook.com.br

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Corrupção se alastrou pelo Brasil inteiro, diz Costa


Em depoimento nesta terça-feira (2) à CPI mista do Congresso, o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, admitiu arrependimento por ter participado do esquema de desvio de dinheiro e superfaturamento de obras e afirmou que sua família o convenceu a fazer a delação premiada. Ele reconheceu a cultura da corrupção no Brasil e disse que o esquema de desvios na Petrobras repete-se no País inteiro. Costa está sendo submetido a uma acareação com Nestor Cerveró, ex-diretor da área internacional da empresa.
Costa afirmou que o esquema de propina não é exclusividade da Petrobras. “O que acontece na Petrobras acontece no Brasil inteiro, nas rodovias, ferrovias, nos portos e aeroportos”, afirmou.
Apesar de afirmar que, mais uma vez, que não responderia às perguntas dos parlamentares, ele confirmou que tudo aquilo que ele disse na delação premiada é verdade. “Tudo que eu falei na delação, que eu não posso abrir aqui, eu confirmo. A delação é um instrumento sério e não pode ser usado de artifício, de mentira”, disse.
Costa fez ainda um desabafo, que começou quando ele disse que todas as indicações de diretores da Petrobras, desde o governo de José Sarney (1985-89) até a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010), foram políticas.
“Isso aconteceu em todos os governos. Todos! Com todos os diretores da Petrobras. Se não tivesse apoio político, não chegava a diretor. Isso é fato”, disse. “Era um sonho meu chegar a diretor ou até a presidente da companhia”, disse.
“Me arrependo amargamente. Infelizmente, aceitei uma indicação política para assumir a diretoria de abastecimento. Estou extremamente arrependido de ter feito isso. Se tivesse a oportunidade de fazê-lo, não faria novamente. Aceitei esse cargo e ele me faz estar aqui onde estou hoje”, disse.

Fonte: Ceará Agora
Foto: Internet